O Gal Gadot Brasil é um site sem fins lucrativos, não-oficial e sem qualquer afiliação à Gal ou qualquer pessoa associada a ela. Todos os vídeos e fotos pertencem aos seus respectivos donos, a não ser que seja informado o contrário.
LA Times: Como era a vida real Amazona no set de Mulher-Maravilha

Durante a divulgação de Mulher-Maravilha, o LA Times conversou com as atrizes Gal Gadot, Robin Wright e Connie Nielsen. As atrizes contaram algumas curiosidades sobre os trajes, as coreografias de luta e como foi trabalhar em um set onde a maioria era do sexo feminino. Confira o vídeo legendado e a entrevista completa, abaixo.

 

Mulher-Maravilha pode ser a estrela do blockbuster esperançoso da Warner Bros. neste fim de semana, mas ela não chegou sozinha. A combinação icônica de justiça, esperança, amor e movimentos sérios de combate vem da criação em Themyscira, uma ilha de fantasia de mulheres guerreiras chamadas Amazonas.

Para tornar a ilha e os seus habitantes possíveis, o estúdio recrutou algumas guerreiras do mundo real, incluindo a lutadora profissional Madeleine Vall Beijner, a campeã da CrossFit Brooke Ence e a boxeadora profissional Anne Wolfe.

Mas as atrizes principais são igualmente ferozes. Robin Wright interpreta a Antiope, mortal com uma espada e capaz de atirar não apenas uma, mas três flechas de uma vez. Vestindo a coroa (e casaco de peles) da rainha Hippolyta é Connie Nielsen, e é claro que existe a lutadora mais nova do clã, Gal Gadot, nossa mais nova Mulher-Maravilha.

Nós trouxemos essas três juntas para um conselho Amazônico para falar sobre o estilo dos movimentos de batalha, armadura de couro e como é trabalhar em um conjunto composto principalmente por mulheres.

 

Vocês passaram muito tempo filmando no local juntas. Você formaram uma ligação? Vocês se sentiam como as Amazonas quando filmava?
Nielsen: Eu absolutamente fiz.
Wright: Foi incrível, né? Foram mais de 120 mulheres.
Gadot: Era como uma grande festa de mulheres. A coisa maravilhosa sobre isso é que todas nos demos realmente, muito, muito bem. Todas estávamos tão felizes uma com o outro. Eu vi ela gravar, eu estava tipo, “Isso foi tão bom, Robin!”
Nielsen: Muito apoio.
Gadot: Havia muito apoio e amor. E não foi falso.
Wright: Era como estar em uma equipe de futebol profissional…
Nielsen: De mulheres.
Gadot: Exatamente. Então não houve inveja. Sem tensão.
Nielsen: E então, nós também conseguimos trabalhar juntas. Nós também tivemos que fazer todo esse treinamento.
Wright: Muito mais fácil do que ir sozinha na academia.


Como foi estar em um set onde as mulheres eram a maioria?
Nielsen: Era o mundo oposto. Foi como se os homens estivessem de pé no parque com as crianças enquanto estávamos na praia com os cavalos e as espadas.
Gadot: Foi como uma era da nova era. Todos os nossos maridos estavam caminhando com os carrinhos enquanto trabalhávamos na praia.
Nielsen: Mas também era um lugar bem amado para crianças, nos sentamos e conversamos sobre nossos filhos. Todas nós trouxemos nossos filhos para o set de filmagens e era apenas um tipo de roda livre, muito relaxado.
Gadot: Sim, devemos fazer um filme assim novamente.


Com que frequência você algo assim em Hollywood? Você consegue fazer uma Rainha Amazona ou uma mulher General Amazona ou Mulher-Maravilha? Com que frequência você vê um papel como esse?
Gadot: Nunca.
Nielsen: Nunca.
Wright: Nunca.
Nielsen: O que é realmente incrível é a maneira pela qual é completamente natural ao longo do filme. Eles não fazem grandes negócios com isso. É apenas isso. Isso é o que eu acho diferente. Não estamos tentando destacá-lo ou aumentar as apostas para isso. Nós apenas aceitamos essa autoridade.
Wright: É uma tribo nômade unissex que nasceu para lutar e proteger, sim, Themyscira e essa cultura, mas também para trazer a mensagem passada por seu personagem, que é apenas construir um futuro de humanos bondosos. Trazendo isso de volta ao mundo.
Gadot: Uma vez que você não dá atenção para a questão de gênero, e não fala sobre o fato de que há mulheres fortes, não se torna uma questão.
Nielsen: Essa é uma das minhas coisas favoritas.
Gadot: Quando Diana vai ao mundo real, ela é completamente inconsciente quanto às regras de gênero e da sociedade, de que as mulheres não são iguais aos homens. Essa é a maneira de mostrar porque, honestamente, no final do dia, somos todas almas iguais neste universo. E não importa se somos homens ou mulheres.
Nielsen: Eu acho que a maneira como Gal faz a cena, quando ela entra na sala cheia de generais, como se ela estivesse absolutamente consciente de que poderia ser de outra maneira, que ela tem o direito de estar lá. Eu acho que, se você realmente quer dizer alguma coisa aos seus filhos é que todas nós, todos merecem estar naquela sala.


Fale mais sobre a cena da luta na praia. Isso era difícil de filmar ou foi divertido?
Wright: Foi incrível.
Nielsen: Era fisicamente difícil fazer aquelas cenas na areia. Mas foi incrível.
Wright: Mas então, sempre gritamos: “Posso fazer de novo? Não, eu posso fazer isso melhor. Eu sei que posso usar minha espada melhor”.


Foi tão bom ver General Antiope ser lançada sobre os atacantes e disparando flechas nos bandidos. Como foi ver essas cenas quando o filme terminou?
Gadot: Nunca vi na minha vida uma cena cheia de mulheres lindas e fortes que estão apenas lutando juntas em uma harmonia tão linda fazendo coisas malucas e incríveis. Nunca vi na minha vida algo assim.
Wright: Sim, era um balé.
Nielsen: Era quase como se fosse um novo paradigma para cenas de ação. Não  como uma versão feminina de uma cena de ação masculina. É uma coisa completamente diferente. E isso é o que eu acho incrível; É realmente, muito bem adaptado para mulheres.
Wright: Projetado para a maneira como nos movimentamos. Não nos movemos como homens.


O que você achou da Themyscira?
Nielsen: Nós estávamos em locais reais que eram realmente bonitos – sim, eles foram aumentados pelo CGI, mas eles eram incrivelmente bonitos, os sets de filmagens.
Wright: Estávamos em uma das cidades mais antigas da Itália, Matera, acho que tem 9 mil anos.
Gadot: E você anda por lá e você realmente vê pavões, é uma loucura. Foi mágico.


Isso fez vocês se sentirem imortais? Seus personagens viveram por anos e anos. Como é estar dentro de uma cidade antiga acrescenta como atriz?
Gadot: Complementa nossa performance. Em Matera, você sente como se estavesse de volta aos velhos tempos. Senti como se estivesse em Jerusalém. Eu acho que foi muito importante para Patty que filmássemos em locais reais.
Nielsen: Mas também filmando em 35 mm, você ganha essa experiência aumentada e é muito incomum para esse tipo de filme, é como ficar ancorado em uma realidade.
Wright: Quero dizer, imagine gravar todas essas sequências em um quarto como este com um pano de fundo verde. Temos que estar no lugar real. E sentir os elementos. Estar lá fora e estar frio, congelando durante as manhãs em nossas pequenas saias de couro.
Nielsen: E então, por volta das 15h, estávamos morrendo e usando espartilhos.


Como foi a primeira vez que experimentou seu traje?
Nielsen: Eu acho que foi como ser amarrada em uma armadura.
Wright: Couro.
Nielsen: Ela meio que faz algo. E tem o fato de segurar uma espada na mão. Não sei se sou eu, mas isso me fez sentir muito poderosa.
Wright: Sra. Excalibur.


O filme mostra brevemente a relação entre a Rainha Hippolyta e Diana. Vamos ver mais disso no futuro?
Gadot: Claro. A relação mãe e filha é sempre uma relação linda, mas complexa. Eu acho que há muito mais a explorar.
Nielsen: E Wright e eu também conseguimos fazer mais em “Liga da Justiça”. Como irmãs também.  Algo tipo duronas também. Não podemos dizer muito, mas…
Wright: E mais da história, vocês ganham mais da história.


Muitas pessoas cresceram adorando a Mulher-Maravilha. Ela era famosa na Dinamarca, Connie? Ela era famosa para vocês?
Nielsen: Eu sabia muito pouco sobre a Mulher-Maravilha. Eu tinha visto algumas fotos quando mudei para cá, mas eu sabia muito pouco e, de certa forma, era por isso que era uma experiência tão incrível porque eu estava descobrindo tanto enquanto eu estava fazendo isso. É a melhor coisa, quando você está em um espaço criativo, descobrindo algo e ficando apaixonado e animado por isso.
Gadot: Eu sinto o mesmo porque eu sabia sobre ela, mas não conhecia muito sobre ela.


E agora você é ela.
Gadot: Quem acreditaria?

 

Inicio > Ensaios Fotográficos | Photoshoots > 2017 > Allen J. Schaben – Los Angeles Times

 

Fonte | Tradução e adaptação: Gal Gadot Brasil – Não reproduzir sem os créditos